Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Senhora Dança? A Mandy pelas danças da vida.

Um blog para todas as mulheres depois dos “entas” . Mulheres que, na plenitude das suas vidas, desejam celebrar a liberdade de assumirem a sua idade, as suas rugas, os seus cabelos brancos e que querem ser felizes

A Senhora Dança? A Mandy pelas danças da vida.

Qui | 19.04.18

Eu recomeço

 Aposte na sua capacidade de dar a volta por cima e recomece. Não se baseie na dificuldade e nem fique achando isto ou aquilo. Antes, aposte na certeza de que pode e merece ser feliz. Se te usaram, use a inteligência e conquiste. Se te abandonaram, use a experiência para mostrar o que perderam. Se lhe faltou força na subida, olha logo ali uma descida. Se lhe faltou fé na romaria, acenda a sua velinha e ore de novo. Se faltou amor, encha-se dele para valorizar-se de verdade. Pois só (...)
Sab | 14.04.18

Paciência e Tolerância – As virtudes dos Velhos

Aprecio muito as crónicas do jornalista e escritor brasileiro, Zuenir Ventura (*).  Zuenir Ventura é aquele tipo de jornalista que não existe mais. Escreve óptimas crónicas semanais n’O Globo, sobre temas que lhe vêm à cabeça. Aproveitou a pesquisa feita pelo instituto DATAFOLHA  para falar do envelhecimento, ele próprio que já passou dos 80 anos, felizmente, bastante activo  física e intelectualmente.  Zuenir escreve com elegância, seja lá qual o tema que  aborde.Neste (...)
Qui | 08.03.18

A elegância do comportamento

Existe uma coisa difícil de ser ensinada e que, talvez por isso, seja cada vez mais rara: a elegância do comportamento. É um dom que vai muito além do uso correcto dos talheres e que abrange bem mais do que dizer um simples obrigado diante de uma gentileza.É a elegância que nos acompanha da primeira hora da manhã até a hora de dormir e que se manifesta nas situações mais prosaicas, quando não há festa alguma nem fotógrafos por perto.É uma elegância desobrigada.É possível (...)
Dom | 04.03.18

Eu aprendi ...

Eu aprendi... ...que ignorar os factos não os altera;Eu aprendi... ...que quando planeamos nivelar-nos com alguém, apenas estamos a permitir que essa pessoa continue a magoar-nos;Eu aprendi... ...que o AMOR, e não o TEMPO, é que cura todas as feridas;Eu aprendi... ...que ninguém é perfeito até que nos apaixonemos por alguém;Eu aprendi... ...que a vida é dura, mas que nós podemos ser mais duros ainda;Eu aprendi... ...que as oportunidades nunca se perdem; alguém sempre vai (...)
Dom | 25.02.18

A felicidade é a soma das pequenas felicidades ....

A felicidade é a soma das pequenas felicidades.Li essa frase num outdoor em Paris e soube, naquele momento, que o meu conceito de felicidade tinha acabado de mudar. Eu já suspeitava que a felicidade com letras maiúsculas não existia, mas dava a ela o benefício da dúvida. Afinal, desde que nos entendemos por gente aprendemos a sonhar com essa felicidade no superlativo. Mas ali, vendo aquele “outdoor” estrategicamente colocado no meio do meu caminho (que de certa forma coincidia (...)
Ter | 20.02.18

LIMPEMOS O PÓ ... SE FOR PRECISO....

Não deixemos as nossas panelas brilharem mais do que nós !!!Não levemos as tarefas domésticas ou o trabalho tão a sério!Pensemos que a camada de pó vai proteger a madeira que está por baixo dela!Uma casa só vai ser um lar quando formos capazes de escrever: "Amo-te" sobre os móveis!Antigamente gastávamos, no mínimo, 8 horas por semana para manter tudo bem limpo, caso "alguém aparecesse para visitar-nos" - mas depois descobrimos que ninguém passa "por acaso" para visitar-nos - (...)
Qua | 14.02.18

Mulher ao centro da vida

"Chegou ao meio da vida e sentou-se para tomar um pouco de ar. Não sabia explicar. Não era cansaço, nem estava perdida. Notou-se inteira pela primeira vez em todos estes anos. Parou ali, entre os dois lados da estrada e ficou observando as margens da sua história, a estrada da vida ficando fininha, calando-se de tão longe que ia.Estava em paz observando a menina que foi graciosa, cheia de vida. Estava olhando para si mesma e nem notou. Ali, naquele instante estava recebendo um (...)
Dom | 11.02.18

De repente, 60 - História de Vida

Ao fazer sessenta anos, lembrei-me do filme “De repente 30”, em que a adolescente, no dia do seu aniversário, ansiosa por chegar logo à idade adulta, formula um desejo e se vê repentinamente com trinta anos, sem saber o que aconteceu nesse intervalo.O meu sentimento é semelhante ao dela: perplexidade. Pergunto a mim mesma: onde foram parar todos estes anos? Ainda sou aquela menina assustada que entrou pela primeira vez na escola, aquela rapariguinha desesperada pela perda precoce (...)
Dom | 04.02.18

Aceitemos a idade que temos sorrindo

Se pudéssemos eternizar a juventude seriamos mais felizes ? A obsessão pela eterna juventude torna-se muito dolorosa, sobretudo para nós, mulheres. Travamos uma luta insana contra a passagem do tempo refugiando-nos, muitas de nós, nas cirurgias plásticas, nas lipoaspirações, nos preenchimentos de botox e nas silicones. Mas será que pode haver beleza e tranquilidade no envelhecimento?Claro que sim, aceitando a nossa idade e rindo muito.A antropóloga pesquisadora e escritora Mirian (...)
Seg | 29.01.18

Mas a inveja, Senhor …

Adoro salada de tomate polvilhado com orégãos, generosamente regado com azeite e algumas, poucas, pedrinhas de sal.Vem a salada de  tomate à conversa, melhor dito à escrita, por causa de um texto que li, do Ruben Alves, na revista Psique, que rezava assim: “Gosto de tomate. Resolvi plantar uns tomateiros lá em Pocinhas do Rio Verde (MG). Amadureceu o primeiro tomate, todo vermelho, com excepção de um pontinho preto na casca. Nem liguei para o ponto preto. Colhi o tomate e (...)