Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Senhora Dança? A Mandy pelas danças da vida.

Um blog para todas as mulheres depois dos “entas” . Mulheres que, na plenitude das suas vidas, desejam celebrar a liberdade de assumirem a sua idade, as suas rugas, os seus cabelos brancos e que querem ser felizes

A Senhora Dança? A Mandy pelas danças da vida.

Liberte-se das Armadilhas do Ego e Seja Feliz!

As armadilhas do ego

  • Se acha que é mais "espiritual" ir para o trabalho de bicicleta ou usar o transporte público, mas, em seguida, é capaz de julgar alguém que está a conduzir um carro, isto é uma armadilha do ego;
  • Se acha que é mais "espiritual" não assistir a telenovelas, mas , em seguida, julga aqueles que vêem , isto é uma armadilha do ego;
  • Se acha que é mais "espiritual" evitar ler mexericos de tablóides sensacionalistas ou revistas cor-de-rosa sobre a vida particular de celebridades, mas, em seguida, julga aqueles que as lêem, isto é uma armadilha do ego;
  • Se acha que é mais "espiritual" ouvir música clássica ou sons da natureza, mas, em seguida, julga aqueles que ouvem os últimos sucessos  da música ligeiramente, porque é "kitsch", isto é uma armadilha do ego;
  • Se acha que é mais "espiritual" fazer yoga, tornar-se vegetariano, comprar só comida orgânica, fazer trabalho voluntário, praticar reiki, meditar, consumir produtos ecologicamente “correctos”, visitar ashrams(*) e ler livros sobre abertura espiritual, mas julgar ou criticar alguém que não faz essas coisas, isto é uma armadilha do ego;
  • Esteja sempre atento à tentação de se sentir superior. A superioridade hipócrita é o maior indício de que está perante uma armadilha do seu ego. O ego adora esgueirar-se, sorrateiramente;
  • O seu Ego vai ter ideia nobre, como "iniciar a prática de yoga", mas depois vai desvirtuar este acto para servir os seus próprios fins, fazendo com que se sinta superior aos outros, porque  vai começar a olhar com desdém para aqueles que não seguem “o seu caminho correcto espiritualmente."

Superioridade, julgamento e condenação são armadilhas do Ego, e todas levam ao isolamento, desunião e escassez de amor”.

AAEAAQAAAAAAAAWXAAAAJGUyNjEyODE1LWMwNDMtNGE0ZS05N2EzLThhMTIxYWJhMmMzYw

(*) Comunidade formada intencionalmente com o intuito de promover a evolução espiritual dos seus membros, frequentemente orientado por um místico ou líder religioso.

 

Imagens : Web

 

Mandy Martins-Pereira escreve de acordo com a antiga ortografia

"BRUXAS... é como chamam por aí..."

E mais forte do que imagina. Acredite

.... É mais forte do que imagina. Acredite !

 

"BRUXAS... é como chamam por aí...

As insubordinadas, divergentes, atentas

Sábias, ditas loucas... profundas, espiritualizadas.

As perigosas...

Mulheres que lutam...contra preconceitos, ignorância, machismo, opressão, violência, exploração.

Mulheres que amam, sem medo de parecerem impuras, se envolvem, se entregam, se rendem...verdadeiramente femininas...

Mulheres que cuidam dos próprios filhos, dos filhos de todos, das chagas de muitos, das milenares e desprezadas tradições originais, da fé, da natureza, dos conhecimentos intuitivos, marca que jamais deveria ser apagada...

Mulheres que guardam...em si, o poder de gestar, de nutrir, de guiar...a vida!

Mulheres que preservam...as últimas chances do mundo sobreviver ao caos...os saberes simples das ervas, da compaixão, do respeito a toda Criação Divina.

Sim...as guardiãs de tudo que é digno e eterno... estão bem resolvidas.

Que despertam amor e ódio.

Mulheres que servem...e vivem a amparar-se umas às outras, totalmente descrentes da subcultura da competição.

Mulheres que estudam, lêem, observam, questionam, argumentam, se impõem...

Mulheres que sofrem...por não se ajoelhar ante à repressão dos sistemas...

Mulheres fantásticas, surreais, feiticeiras, endiabradas, filhas do mal?

Não...mulheres como vocês e eu.

Foram perseguidas e queimadas e ainda são amordaçadas...eram mulheres...eram irmãs, são BRUXAS! E devem meter muito medo...

E você?

As teme?

Ou é uma delas?"

( Gi Stadnicki )

 

Imagem : Web

"Mulheres com Classe vs.Queijo Gorgonzola"

Entradas.

Estamos a envelhecer, estamos a envelhecer, estamos a envelhecer.

 

Todos os dias ouvimos isto. Mulheres maduras, idade d’ouro, exército de prata. As amigas entre elas comentam: "Estamos a envelhecer”, assim à laia de quem diz:  estamos a apodrecer".

Até agora, não acho que envelhecer seja esse horror todo. Confesso que tenho pena por estar a deixar a juventude para trás. Claro que já tenho rugas; é verdade que a minha pele está a ficar flácida; não possa deixar de ver uns “pneuzinhos” a rodear-me a barriga e,  naturalmente, que todas nós, mulheres, que já entraram nos “entas” sofrem uma grande pressão.

E, nesta onda, lembrei-me de um texto escrito por uma mulher, naturalmente “entradota”, cujo nome não fixei, que fazia uma deliciosa comparação entre as “mulheres entradotas” e o queijo Gorgonzola.

Até onde a minha lembrança vai, o texto rezava, mais ou menos (mais menos que mais), assim:

O queijo Gorgonzola é um queijo que a maior parte das pessoas que conheço gosta. Gostam em saladas, como “amuse-bouche” com aipo, com vinho tinto ou branco, na confecção de alguns pratos e até faz de sobremesa servido com mel. É, na verdade, um queijo delicioso, de sabor e aroma peculiares, uma invenção italiana, tem “status” de iguaria com o seu incomparável sabor exótico e sofisticado (naturalmente para quem aprecia e quem não aprecia, diz que é óptimo para mostrar que é  um “gourmand/gourmet”), vende-se aos quilos nos supermercados, é, naturalmente, caro e é, pasme-se, …  podre.

 

Com uma massa cremosa e um aroma intenso, o gorgonzola é uma variedade de queijo azul fabricado com leite de vaca. A sua invenção data do século X e tem uma história bastante curiosa: diz-se que um queijeiro apaixonado, responsável por fazer o queijo stracchino (*), se esqueceu de fazer o queijo, quando corria atrás de uma gorgonzolense. E, para que o seu patrão não percebesse o descuido, o queijeiro misturou leite ordenhado na noite anterior com o da manhã seguinte… o que deu origem aos fungos, que são a principal marca do gorgonzola. E isto acontece, porque as duas coalhadas, com temperaturas diferentes, provocam bolhas de ar, onde se formam os fungos. É um queijo podre de chique e para ficar gostoso tem de estar no ponto certo da deterioração da matéria.

Nesta linha de pensamento sou forçada a concluir que não é pelo facto de estar a envelhecer, a  apodrecer ou a mofar que devo ser desvalorizada. Pois fiquem a saber que só vou envelhecer até ao ponto certo, como o Gorgonzola. Se Deus me der vida e saúde, morrerei no ponto G da decomposição da matéria. Pensando bem, até estou a ficar uma iguaria, acompanhada de um bom tinto. Afinal, nesta idade e neste estado de decomposição, sou uma mulher para paladares sofisticados. Não sou um vulgar queijo flamengo, ou um sucedâneo do Castelões para acompanhar uma bebidinha sem compromisso, ao fim da tarde. Não sou para o “bico” de qualquer um, nem ligo a um qualquer "pé rapado". Agora tenho “status quo”.

Sou um queijo Gorgonzola.

 

(*)  Stracchino queijo de  origem italiana (também conhecido como Crescenza), feito de leite de vaca fresco das regiões da Lombardia, Piemonte e Vêneto. É um queijo fresco e macio de textura cremosa, amanteigada e espalhável, de cor branca e amarelada e sem casca. Possui um sabor delicado, fresco e levemente adocicado, com aroma muito agradável e rico.

 

Imagem : Web

 

(Texto adaptado)

 

Mandy Martins-Pereira escreve de acordo com a ortografia antiga

Um novo dia

Um dia vais acordar e verás um bom dia.

 

Um dia vais acordar e verás um lindo dia.

O Sol brilhará e tudo será novo, tudo terá mudado, tudo será claro

e. afinal, o que te parecia impossível será normal.

Jane Austen

 

Imagem : Web

TEMPUS FUGIT

Aprendi a não perder tempo.

 

Aprendi a não perder tempo.

Aprendi que cada momento é precioso e não deve ser desperdiçado.

Aprendi muitas coisas, mas nenhuma que me permitisse salvar a vida,

mas tudo o que aprendi foi necessário para me ajudar a viver melhor.

 

Poetry & Quotes by Mandy

Imagem : Web